Distância e Saudade: Conheça a história da Vitória e sua cachorrinha Fiona

17/09/2021

 Vitória Cassola    Dicas para donos de Cães




Imagem Blog Tunghats Resort

Quando conheci o Tunghat’s e comecei a acompanhar as fotos no perfil do resort no Instagram, meu coração apertou: cada uma daquelas fofuras me lembrava um pouco da Fiona, a pet da minha família.


Fiona é uma vira-lata pequenininha, de menos de cinco quilos e que às vezes treme tanto que chegam a achar que ela tem algum antepassado pinscher. E, ao rolar o feed, eu identificava um pedacinho dela em todas aquelas patinhas, orelhas e focinhos que estão aproveitando as férias no hotel.

Blog do Resort: Conheça história da Vitória
Essa fofura é a Vitória

A Fiona nasceu na casa de uma protetora de animais que tinha resgatado a mãe dela das ruas de Porto Alegre, e a adotamos quando eu tinha recém feito 15 anos. Durante todo o meu ensino médio, lá estava a Fiona comigo. Víamos TV juntas no sofá, dormíamos e passeávamos juntas. Ela me acompanhava até nas viagens para visitar o resto da família no interior. Nós duas éramos realmente inseparáveis – quando eu ficava doente, ela passava o tempo todo do meu lado. No dia em que ela foi castrada, ficamos juntas durante a noite inteira, mesmo depois dela ter vomitado duas ou três vezes em cima de mim. Mas quem tem cachorro sabe que as pequenas inconveniências não são nada perto do amor que nutrimos pelos bichinhos.


Pois bem, assim foi durante seis anos, quando meu pai mudou de cidade. Foi a primeira vez que a Fiona e eu nos separamos. Como eu estudava e trabalhava, chegando em casa apenas à noite, sabíamos que ela teria mais atenção se fosse morar com ele e com a minha irmã Helena. Mas a vida quis que bem quando eles voltassem para Porto Alegre, fosse eu quem estivesse de malas prontas para vir morar no Reino Unido.


O breve reencontro meu e da Fiona durou menos de um mês. Em abril de 2019, embarquei no avião em Porto Alegre. Na época, os planos eram ficar mais ou menos um ano e meio fora e então voltar para visitar o Brasil. Só que, como todo o resto do planeta, no começo de 2020 fui surpreendida pela pandemia de Covid.


O que era para ser um ano e meio já virou quase três: ainda não consegui visitar minha família e, claro, também não consegui ver a Fiona. Fico pensando como seria se ela estivesse aqui na Escócia, onde moro atualmente. Acho que ela amaria passear nos vários parques e teria um pouco de medo dos esquilos. No inverno, é bem provável que se recusasse a sair de casa por mais do que cinco minutos: assim como eu, a Fiona odeia frio, e aqui não é raro que a temperatura chegue a números negativos. 


Esses pensamentos são motivados, é claro, pela ligação que nós duas formamos desde 2010. E é por causa de todo esse afeto que criamos que meu conselho para quem está pensando em ter um cachorro é: pesquise bastante e se permita viver essa avalanche de carinho. Se precisar ficar longe do seu pet por um tempo, tenha certeza de que ele vai ser bem tratado, porque o bem-estar do animal é a coisa mais importante – mesmo quando tudo o que você queria era estar ao lado dele.


Por enquanto, eu amenizo um pouco a saudade pedindo ao meu pai que me mande vídeos da Fiona no WhatsApp e acompanhando as fotos dos hóspedes fofos do Tunghat’s. Enquanto não pego o voo de volta para casa, a internet é o melhor jeito de aquecer o coração.

gostou? comente!

Todos os Direitos Reservados © 2016 - Designed by: Th-Project.com